som de entrada MATANÇA (directo: Serra da Aboboreira, Dezembro de 2007) | slideshow ALL ANGELS orig. SAMUEL BARBER "Agnus Dei"

FOTOGRAFIA

MATANÇA DO PORCO:

VIDA E MORTE CLANDESTINAS

Matança do porco: vida e morte clandestinas

 

«A vaca é nobreza, a cabra é mantença, a ovelha é riqueza, mas o porco é tesouro.»

(Popular)

 

Como mandrágora arrancada da terra, o animal grunhe desalmadamente por entre o chinfrim dos homens.

São 7h30 da manhã. Depois de um ano inteiro a alimentar-se do supérfluo, chegou a hora de morrer. Jejuou a noite anterior para «limpar».

Os menos temerários rezam, afastados do episódio e das desgraças, «não vá encolher o sangue» na hora da picada fatal.

 

 

 

 

 

 

Na Europa medieval a criação de porcos era um sinal de fartura e ao mesmo tempo uma oportunidade para o fortalecimento dos laços familiares, quer através da festa, quer através da partilha. Segundo Walter Burkert (A Criação do Sagrado, Edições 70, Lisboa, 1996), «o festim constitui o paradigma da partilha de alimentos, o que, por seu turno, é uma forma de colaboração básica entre os seres humanos.» Na verdade, quanto maior era a criação, maior o poder económico e a capacidade de manter as interacções com a família e também com a vizinhança. Compreende-se, por isso, que em muitas comunidades rurais a casa do porco (a 'pocilga') ficava paredes meias com a casa dos seus donos.

Não se tratando de um sacrifício, o ritual da matança é ainda hoje um episódio carregado de simbologias e superstições: em certas aldeias, no momento da execução reza-se para o sangue não coalhar, enquanto noutros lugares as mulheres que se encontram no período menstrual excluem-se voluntariamente da vigília do corpo do porco morto para não lhe estragar a carne.

Apoio bibliográfico: SANDRA NOGUEIRA, A Criação Tradicional de Porcos em Portugal: Análise Antropológica (...), s/d.

 

 

«Comeu-se? Bebeu-se? Ate-se os panos, fuma quem tem costumes e vamos...»

Para lá do Marão, Janeiro de 2012.

Filmes

 

 

 

 

OUTRAS HISTÓRIAS

FEIRAS DA RAIA TRANSMONTANA

ALENTEJO: O SOL DO MENDIGO

VIDAS DE COMBOIO

HISTÓRIAS DO SAGRADO E DO PROFANO

OS POBRES NÃO TÊM FÉ

RETRATOS DA PENEDA-GERÊS

 

TODAS AS FOTOGRAFIAS