Antero de Alda :: feiras da raia transmontana

 

 

som de entrada PAULITEIROS DE CONSTANTIM Festa dos Rapazes 2006 | slideshow À SOMBRA DE MIS CABELS (trad. Miranda do Douro)

FOTOGRAFIA

FEIRAS DA RAIA TRANSMONTANA

Miranda do Douro: feiras da raia transmontana

 

«Cun pena, beio las feiras

Nas aldés, a zaparcer,

Onde se come la puôsta,

Assi cumo debe ser!»

Citações do Mirandês de «Miranda Yê La Mie Tiêrra»

JOSÉ FRANCISCO FERNANDES

 

 

VELHOS GORAZES DE SENDIM Sendim, Miranda do Douro

Para quem deixa o vale do Sabor ainda carregado de névoa e sobe até ao planalto mirandês, logo ao nascer do dia, seguindo por Carviçais, Fornos, Lagoaça, Mogadouro… há-de ver as carroças dos burros que tomam a estrada de betume com a carga das primeiras horas de um dia de trabalho, ainda na companhia dos seus velhos donos. Estes animais são a principal atracção dos Gorazes, todos os anos a 30 de Outubro.

Actualmente, a Feira dos Burros está descaracterizada pela exposição das alfaias industriais e pelo negócio dos chineses e dos vendedores da banha da cobra. Mas em Sendim encontramos ainda os chapéus e os lenços pretos dos velhos e velhas que descem das suas aldeias e por aqui se instalam para vender as novidades de final de Verão: queijo artesanal, cebolas, dióspiros, marmelos, romãs…

Dentro de poucos anos já não será possível fazer, assim, retratos de «velhos gorazes».

 

 

«Essa tue tan grande feira

De trinta de Outubre yê tal

Que nun beio nestas tiêrras

Outra que le seia eigual.»

 

 

"Gorazes" deriva do termo grego "gorax", que significa «carne de porco». É no Mogadouro que se realiza, todos os anos, a mais tradicional Feira dos Gorazes, que no passado anunciava o tempo da matança dos porcos e servia para cumprir as obrigações fiscais aos «senhores do Mogadouro», justamente com carne de porco.

Em Sendim, perto de Miranda do Douro, "Grazes" (como diz o povo) é principalmente uma feira onde se vendem burros, mulas e cavalos desde há quase 300 anos.

 

 

FEIRA DE NATAL DO NASO Póvoa, Miranda do Douro

À Feira de Natal no Santuário de Nossa Senhora do Naso, na Póvoa, a poucos quilómetros de Miranda do Douro, chegam a 22 de Dezembro os forasteiros das vizinhas aldeias e vilas raianas: Palaçoulo, Genísio, Malhadas, Ifanes, Costantin, Moveros (já do outro lado da fronteira). Como no Mogadouro, Sendim e muitas outras terras do planalto mirandês, no Naso também se realiza uma Feira de Burros, todos os anos entre 6 e 8 de Setembro.

 

«Cun pena, beio las feiras

Nas aldés, a zaparcer,

Onde se come la puôsta,

Assi cumo debe ser!

 

An barracas, chicha assada

De bitela mirandesa,

Pinga, molete ou fogaça

Yê l que eilhi pónan na mesa.

 

Que si cheira la assadura,

Que bien sabe todo aquilho,

Cun nabalha mirandesa

I cun copo de quartiêlho!»

 

Citações do Mirandês de «Miranda Yê La Mie Tiêrra»

JOSÉ FRANCISCO FERNANDES

Ed. autor, 1999, pp. 63-64.

 

 

Este povo que persiste em migrar no planalto frio para fazer as suas pequenas compras da natividade pouco terá já da tradição pírrica greco-romana, guerreira por excelência; conserva, porém, o orgulho da Festa dos Rapazes (uma espécie de Carnaval de Inverno), da dança dos Pauliteiros (danza de palos, na Galiza) e do dialecto norte-ibérico comum: la lhéngua mirandesa, de profunda tradição oral.

 

 

 

OUTRAS HISTÓRIAS

RETRATOS & TRANSFIGURAÇÕES

ALDEIAS DO MONTESINHO

ALENTEJO: O SOL DO MENDIGO

ALTO DOURO VINHATEIRO

RETRATOS DA PENEDA-GERÊS

PARA LÁ DO MARÃO

 

TODAS AS FOTOGRAFIAS