som de entrada ABOIO DE PASTORA... (ext.) Bragança, 1982 | slideshow ROMANCE DE D. JOÃO Vinhais, 1991

FOTOGRAFIA

ALDEIAS DO MONTESINHO:

VIVER E MORRER DEVAGAR...

Aldeias do Montesinho: viver e morrer devagar...

 

«Isto não é nada daquilo que as pessoas dizem...»

ANA MERCÊS, Aveleda.

 

«A água no S. João vira vinho, azeite e não dá pão.»

HELENA SUBTIL Réfega.

 

«Aconteceu que até aos vinte e sete

anos de idade tive a alegria

de viver na solidão da casa e da família,

com um belo jardim à minha volta.

 

Fiquei, assim, um ser não corrompido

e, fazendo justiça à natureza,

sigo o murchar da floresta

ou o destino do jardim.

 

.........................................

Fui tão inevitável paraíso

e estive tão perto da grande bondade divina...

Ninguém sabia como o tormento é grande

atrás da porta da minha solidão.»

BELLA AKHMADULINA

Aconteceu

Tradução de Manuel de Seabra

 

 

 

 

FOTOGRAFIA

SANTOS E RECORDAÇÕES DE

ALZIRA MATILDE GASPAR

Moimenta da Raia, Vinhais: santos e recordações de Alzira Matilde Gaspar

 

O Parque Natural do Montesinho estende-se pelo território fronteiriço do nordeste português, desde Quintanilha (ao sul), passando por Réfega, Deilão, Guadramil, Rio de Onor, Varge, Aveleda, Meixedo (já periférico do círculo bragantino), França, Montesinho, Mofreita, Moimenta e Pinheiro Novo (no extremo norte-oeste, com ligação ao planalto montanhoso do Barroso).

 

Em Moimenta da Raia, uma aldeia isolada às portas da Galiza de Espanha, vive Alzira Matilde Gaspar.

Alzira tem 77 anos. Ficou sozinha, depois da morte do marido há um ano atrás. Reza todos os dias a Santa Luzia e a Nossa Senhora de Fátima.

MOIMENTA DA RAIA, Vinhais

Novembro de 2006

 

 

 

 

OUTRAS HISTÓRIAS

PARA LÁ DO MARÃO

ALTARES INTERIORES

LAVRADEIRAS DO MINHO

ALENTEJO: O SOL DO MENDIGO

OS POBRES NÃO TÊM FÉ

RETRATOS & TRANSFIGURAÇÕES

 

TODAS AS FOTOGRAFIAS