som de entrada PAULITEIROS DE CONSTANTIM Festa dos Rapazes 2009 | slideshow CARETOS DE PODENCE & CHRISTOPHER SPELMAN "Sola perdutta abbandonata"

FOTOGRAFIA

A FESTA DOS RAPAZES

A Festa dos Rapazes

 

«Os rapazes assim metamorfoseados são os verdadeiros animadores da festa. Tornam-se figuras diabólicas e mágicas, sob a máscara de latão pintado ou de madeira, o colorido dos seus fatos, com fitas, campainhas e chocalhos à volta do corpo. São os 'caretos', dificilmente identificáveis, se não de todo impossível, a quem toda a sorte de disparates, tropelias e brincadeiras lhes é permitido fazer. O mascarado torna-se um ser superior, mágico e profético, diabo e sacerdote ao mesmo tempo.»

ANTÓNIO PINELO TIZA Inverno Mágico - Ritos e Mistérios Transmontanos (Ed. Ésquilo, Lisboa, 2004).

 

A FESTA DOS RAPAZES

Constantim, Miranda do Douro

Constantim, Miranda do Douro

Dezembro 2006

 

Já foi o Natal! De 27 para 28 de Dezembro correu uma noite de folia em honra de S. João Evangelista, padroeiro da freguesia. Os rapazes, ávidos de gozação, estipularam o dia em volta da gigantesca fogueira que ainda fumega no largo do lugar. Assim, logo pela madrugada, vestem o "Carocho" com uma máscara de couro, um rosário de carretos de linhas — já vazios — pelo pescoço e um enorme garfo de madeira que há-de recolher os salpicões ou fazer tropeçar as raparigas da aldeia. Juntam-se-lhe velhos gaiteiros, tocadores de bombo e de fraita (flauta pastoril, cinzelada na madeira) e os dançadores com seus chapéus decorados com rosas: os Pauliteiros de Constantim!

No prolongamento da festa percorrem todas as casas, uma a uma: comem e bebem, dançam a pedido e lançam a lascívia do "Carocho" sobre as filhas virgens do lar. E, porque na agonia do ano velho tudo se perdoa, trocam-se prendas e cumprimentos. A falsa fêmea do grupo da folgança (a "Tiê Vielha", de blusa de chita estampada e com um rosário de castanhas assadas pelo pescoço) vem despedir-se da dona da casa, enquanto o chefe da família tem direito a lançar um foguete, que há-de dar sorte para o novo ano.

À meia para as duas da tarde há missa. O profano dá lugar ao sagrado, mas a gaita soa com um Lhaço divino dentro do lugar santo. Os pauliteiros dançam na hora do ofertório. Depois da procissão à volta da igreja, o ritual da mesclagem entre o sagrado e o profano cumpre-se mesmo ali, em frente do cruzeiro, com o "Carocho" e a "Tiê Vielha" ensaiando gestos de acasalamento.

Tudo não passa de uma cena de Carnaval de Inverno (um rito do solstício) em Constantim, terras de Miranda. E como diz o povo, «Ne Antruido fázen uas macadas que a la giente dá-le ua risa mui grande.»

 

 

 

A HISTÓRIA DE FÁBIA

Em Constantim as mulheres são prendadas. Júlia é especialista em feijoadas e Felisbina Rosa em chás. Fábia do Nascimento Gonçalves tem 78 anos e também já foi à televisão: a sua especialidade é fazer bolos.

Enviuvou grávida, depois de sete meses de casamento: o marido faleceu ao lançar um foguete. Nas festas de S. João Evangelista (a Festa dos Rapazes) aceita os tremoços e as azeitonas e paga aos pauliteiros para dançarem um Lhaço à porta da sua casa, mas não quer que se lance o foguete como é da tradição.

 

FESTA DOS CARETOS

Podence, Macedo de Cavaleiros

Carnaval, Março de 2011. Em Podence, a poucos quilómetros de Macedo de Cavaleiros, cumprem-se as Saturnais Romanas — as celebrações em honra de Saturno, deus das sementeiras. Os diabos fazem as suas últimas maldades antes da Quaresma: com máscaras de couro ou de lata, vestindo colchas franjadas de lã ou de linho, com uma enfiada de chocalhos à cintura e bandoleiras de campainhas, os "Caretos" percorrem a aldeia em estranhas correrias atrás das raparigas solteiras...

A festa está agora transformada num produto turístico, aberta a gaiteiros e gigantones, às barracas de comes e bebes e aos passeios de burro. Subsistem, porém, na atmosfera rural, a lascívia dos chocalhos lançados contra as ancas das mulheres mais desprevenidas, e os "Facanitos" — jovens impúberes que vestem a mesma indumentária e prometem continuar a tradição.

 

FESTA DOS VELHOS

Bruçó, Mogadouro

Em Bruçó, no concelho de Mogadouro, os adolescentes carregam grandes bexigas de porco atadas na ponta de varapaus para provocarem os mais velhos. Do desafio resultam demoradas perseguições que acabam em acesas disputas entre novos e velhos, num ritual de passagem à idade adulta.

No seu passeio pela aldeia o "Soldado" tanto oferece como protege a "Sécia" (a mulher, que traz uma boneca ao colo), e às provocações do povo — «Maria, vais com todos, sua galdéria!» — responde com fortes açoites de cinturão de couro para defender a honra.

Do casal de "Velhos" que compõem as quatro figuras do cortejo espera-se que imponha respeito. Com os seus cajados vão limpando as ruas das bexigas que sobraram da violência dos confrontos. A festa repete-se todos os anos no dia da Natal e termina com o arrematar das oferendas recebidas para o altar de Nossa Senhora.

 

FESTA DO FARANDULO OU DO SANTO MENINO

Tó, Mogadouro

São sete e meia da manhã. Em Tó, Mogadouro, o "Farandulo" solta-se e dá uma primeira volta pela aldeia à procura de raparigas solteiras. Parece um rei negro com uma coroa branca e preta na cabeça, um casaco cinzento vestido do avesso, um saia escura e comprida, um colar de carrinhos de linha vazios pelo pescoço e na mão um pau de ponta bifurcada para apanhar os enchidos nas casas onde consegue entrar.

A "Sécia" veste-se de noiva, de manto branco rendado na cabeça e na mão um ramalhete de guloseimas com uma tangerina espetada no topo. Nas diversas investidas até à hora da missa é o "Moço" que a defende da cobiça e da volúpia do "Farandulo"...

O "Mordomo" e os "Tamborileiros" (gaita de foles, bombo e caixa) compõem o grupo de foliões.

 

VELHOS CHOCALHEIROS

Vale de Porco, Mogadouro

Em Vale de Porco a tradição está a perder-se. Escondidos em máscaras de madeira pintada de vermelho e envoltos em serapilheira amarrada ao corpo por cinturões de chocalhos, crianças e adolescentes pedem guloseimas e agradecem com sonoros pulos de satisfação.

 

FOTOGRAFIA

MIRANDA YÊ LA MIE TIÊRRA

Miranda yê la mie tiêrra: aldeias de Miranda do Douro

 

 

«Costantin, outra terrica

Mirandesa, eilhi al pie,

Ten un cabeço i ua Santa

Cun feira i remarie...

 

Spanholes i pertugueses,

Nun sei quantas bezes mil,

Juntan-se eilhi, nun deimingo,

L redadeiro de Abril.

 

Cun muita fé ou cun pouca,

Ban un deimingo a passar,

Para cumprir deboçones

Ou a bander ou cumprar.

 

A fazer meia ou na renda,

An tardes de sol, sarenas,

I quien sabe se a las bezes

Falando an bidas alhenas...»

 

Citações do Mirandês de «Miranda Yê La Mie Tiêrra»

JOSÉ FRANCISCO FERNANDES

Ed. autor, 1998.

 

 

GENÍSIO — LA LHIENDA DE LA BOUBIELHA

Cierto die, hai muitos anhos, las pessonas de Zenízio bírun un páixaro mui guapo que tenie un cuculho na cabeça. Esse páixaro era la Boubielha.

Confundindo-lo cun Nuossa Senhora, juntórun-se todos a la boç de 1 regidor i na reberência a la Birge de la Coquelhuda (pus assi chamórun a l’abe), fúrun stendendo lhençoles i telas de lhino brancos, para que assi pousasse e benisse pa l’eigreija, dezindo: — Senhora de la Coquelhuda, pousai na branco!

Mas l’abe, por su beç, bolaba de arble para arble, até que de l’alto dun uolmo cantou: — Bu, bu, bu! Bu, bu, bu! Bu, bu!... De boca abierta i delorosa, de zinolhos no chano, la giente de Zenízio respundie: — Ah, Birge de la Coquelhuda, nun bos merecemos! Chamai-nos burros i nós que l somos.

Desde para lantre, ls habitantes de l pobo de Zenízio passórun a ser coincidos por boubielhos, nun gustando mesmo nadica de l nome. Mas la lhienda tem muita fuórça! Cousas de nuossos abós.

traduzir

Filmes

 

 

 

 

 

OUTRAS HISTÓRIAS

RETRATOS & TRANSFIGURAÇÕES

HISTÓRIAS DO SAGRADO E DO PROFANO

OS POBRES NÃO TÊM FÉ

ALDEIAS DO MONTESINHO

BARROSO I: MARIA MALTA & FELICIDADE COELHO

ALDEIAS SERRANAS DAS BEIRAS

 

TODAS AS FOTOGRAFIAS