contacto

poesia

fotografia

home

 

  Post 214 -  Dezembro de 2017  

 

foto: Carlos Vilela 2010

 

www.anterodealda.com

 

 

pesquisar neste blog

 

Recentes

 

três histórias de Natal

          [ 2. Maria da Graça ]

três histórias de Natal

          [ 1. Maria Pires - regresso ]

29 de dezembro

três histórias de Natal

          [ 1. Maria Pires ]

mnemónicas

eucaliptais

Xutos... Zé Pedro

buracos negros e universos paralelos

   [ Escola Secundária de Amarante ]

três minutos...

          [ epifanias ]

são pássaros, José!

          [ Cataluña ]

diário íntimo XXXVI

os incuráveis

o editor pergunta-me...

          [ Retratos e transfigurações ]

mentirosos

enganados

o libertino

o editor pergunta-me...

          [ Mil vidas tem S. Gonçalo ]

 

 

Antigas

 

diário íntimo XXXV

o editor pergunta-me...

          [ Europa — fuck you! ]

diário íntimo XXXIV

diário íntimo XXXIII

diário íntimo XXXII

diário íntimo XXXI

diário íntimo XXX

diário íntimo XXIX

diário íntimo XXVIII

diário íntimo XXVII

diário íntimo XXVI

diário íntimo XXV

diário íntimo XXIV

diário íntimo XXIII

Europa, dá-me a minha estrela!

a Europa é um gulag!

os suicidas de Marpi Point

diário íntimo XXII

diário íntimo XXI

diário íntimo XX

diário íntimo XIX

diário íntimo XVIII

diário íntimo XVII

diário íntimo XVI

diário íntimo XV

diário íntimo XIV

diário íntimo XIII

diário íntimo XII

diário íntimo XI

diário íntimo X

diário íntimo IX

diário íntimo VIII

diário íntimo VII

diário íntimo VI

diário íntimo V

diário íntimo IV

diário íntimo III

diário íntimo II

diário íntimo I

já ninguém anda a pé [ IV ]

já ninguém anda a pé [ III ]

já ninguém anda a pé [ II ]

já ninguém anda a pé [ I ]

o trabalho não mata

o beijo do insecto

          [ Leopoldo María Panero ]

o estranho mundo de Edward Hopper

silêncio(s) sempre...

          [ António José Forte ]

silêncio(s) ainda... [ Sylvia Plath ]

silêncio(s)... [ José Agostinho Baptista ]

um estranho lugar de chuva

          [ homenagem a Pablo Neruda ]

não há só um Deus

o editor pergunta-me...

          [ a reserva de Mallarmé ]

o ministro foi às putas de pequim

manual de sobrevivência [ XXV ]

o comboio de... Cristina Peri Rossi

o tesoureiro de Leipzig

manual de sobrevivência [ XXIV ]

manual de sobrevivência [ XXIII ]

manual de sobrevivência [ XXII ]

e o lado oculto da Europa...

a Espanha oculta de...

          [ Cristina García Rodero ]

o cortejo dos amortalhados

EU — only for rich

a essência do Capitalismo

a essência de um Capitalista

os filhos do Diabo

manual de sobrevivência [ XXI ]

ódio à Democracia [ III ]

ódio à Democracia [ II ]

ódio à Democracia [ I ]

Warhol [ 85 anos ]

manual de sobrevivência [ XX ]

manual de sobrevivência [ XIX ]

manual de sobrevivência [ XVIII ]

taitianas de Gauguin

retratos de Van Gogh

nunca serei escravo de nenhum terror

as coisas [ Jorge Luis Borges ]

manual de sobrevivência [ XVII ]

manual de sobrevivência [ XVI ]

Portugal, noite e nevoeiro

o corno de Deus

manual de sobrevivência [ XV ]

manual de sobrevivência [ XIV ]

manual de sobrevivência [ XIII ]

a filha de Galileu

um museu para o Eduardo

manual de sobrevivência [ XII ]

manual de sobrevivência [ XI ]

Torricelli, Pascal, Hobbes, razão, utopia e claustrofobia

manual de sobrevivência [ X ]

manual de sobrevivência [ IX ]

os diabos no quintal

     [ histórias de homens divididos

       entre muitos mundos ]

o pobre capitalismo...

as Madalenas de Caravaggio

manual de sobrevivência [ VIII ]

o alegre desespero [ António Gedeão ]

manual de sobrevivência [ VII ]

manual de sobrevivência [ VI ]

manual de sobrevivência [ V ]

manual de sobrevivência [ IV ]

manual de sobrevivência [ III ]

sombras [ José Gomes Ferreira ]

Phoolan Devi [ a valquíria dos pobres ]

schadenfreude [ capitalismo e inveja ]

a vida não é para cobardes

europa

a III Grande Guerra

FUCK YOU!

EU — die 27 kühe [ as 27 vacas ]

europa tu és uma puta!

bastardos!

o daguerreótipo de Deus...

o honrado cigano Melquíades...

cem anos de solidão...

manual de sobrevivência [ II ]

o salvador da América [ Allen Ginsberg ]

o salvador da América [ Walt Whitman ]

[ revolução V ] as mães do Alcorão

[ revolução IV ] paraíso e brutalidade

[ revolução III ] andar para trás...

[ revolução II ] para onde nos levam...

[ revolução I ] aonde nos prendem...

o problema da habitação

cartas de amor

a herança de Ritsos

as piores mentiras

elegia anti-capitalista

da janela de Vermeer

manual de sobrevivência [ I ]

de novo o Blitz...

antes de morrer

as valquírias

forretas e usurários

           [ lições da tragédia grega ]

Balthus, o cavaleiro polaco

abençoados os que matam...

diário kafkiano

Bertrand Russell: amor e destroços

U.E. — game over

DSK: uma pila esganiçada

coração

kadafi

o tempo e a eternidade

Bucareste, 1989: um Natal comunista

mistério

o Homem, a alma, o corpo e o alimento

          [ 1. a crise da narrativa ]

          [ 2. uma moral pós-moderna? ]

          [ 3. a hipótese Estado ]

o universo (im)perfeito

mural pós-moderno

Lisboa — saudade e claustrofobia

          [ José Rodrigues Miguéis ]

um cancro na América

Marx, (...) capital, putas e contradições

ás de espadas

pedras assassinas

Portugal — luxúria e genética

rosas vermelhas

Mozart: a morte improvável

1945: garrafas

1945: cogumelos

bombas de açúcar

pão negro

Saramago: a morte conveniente

os monstros e os vícios

porcos e cinocéfalos

o artifício da usura

a reserva de Mallarmé

o labirinto

os filhos do 'superesperma'

a vida é uma dança...

a puta que os pariu a todos...

walk, walk, walk [Walter Astrada]

Barthes, fotografia e catástrofe

Lua cheia americana [Ami Vitale]

a pomba de Cedovim

o pobre Modigliani

o voo dos pimparos

o significante mata?

a Europa no divã

a filha de Freud

as cores do mal

as feridas de Frida

perigosa convivência

—querida Marina! («I'm just a patsy!»)

a grande viagem...

histoire d'une belle humanité

o coelhinho foragido

o sono dos homens...

«propriedade do governo»

os dois meninos de O'Donnell

o barco dos sonhos

farinha da Lua

o enigma de Deus

«nong qua... nong qua...»

«vinho de arroz...»

magnífica guerra!

a lei do Oeste...

Popper (1902-1994)

 

 

SnapShots

 

 

os dias todos iguais, esses assassinos...

 

três histórias de Natal

[ 1. Maria Pires — regresso ]

 

 

Foto: ANTERO DE ALDA Maria Pires (93).

 

 

 

Encontrei-a no corredor, a chorar.

Não era um choro compulsivo, é certo, mas não era só da constipação («Maria Pires, o que lhe dói?» — Dói-me tudo, dói-me tudo...).

Como quase sempre acontece com pessoas desta idade, era um daqueles "choramingares" de quem envelheceu e poderá ter muita infância pela frente, como diz Carpinejar. Contudo, penso que seria mais um choro de quem, não tendo já de facto muita infância pela frente, aos 93 anos carrega pelas espáduas toda a dor do mundo, ou «o fardo horrível do tempo» como dizia Baudelaire.

 

 

«Leite negro da madrugada nós te bebemos de noite nós te bebemos ao meio-dia e de manhã nós te bebemos de noite nós bebemos bebemos…»

PAUL CELAN Fuga da morte

 

«Ela sabe as palavras mas limita-se a sorrir. Mistura o seu sorriso no cálice de vinho: Tens de o beber, para estar no mundo.»

PAUL CELAN Sete rosas mais tarde

 

 

Já quase não vê, mas reconheceu-me pela voz e pelo tacto («Dei-lhe um gorro de lã!»).

É verdade: em Agosto de 2011, quando lhe levei o retrato de 2010, fiz um pequeno filme, ela estava a fazer meia... «meia meia feita, meia meia por fazer, ora diga lá quantas meias há-de ser». Ofereceu-nos um gorro, não daquelas coisas dos chineses que se vendem nas feiras, mas um gorro de lã grossa feito à mão, lindíssimo, com "orelhas" (chamam-lhes assim para as protegerem das agressões do gelo), um gorro que transporta a dignidade da alma barrosã.

 

A Maria Pires estava triste, sim, mas afagámos-lhe as mãos (mãos quentes, e as nossas tão frias porque estava muito frio em Montalegre) e trocámos abraços, e para esta mulher tão doce, tão doce, e também para nós, foi um momento inapagável. Eu, que quase nunca choro (esta verdade tão lamentável nos homens), dei-lhe forças: «Não está nada a morrer, Maria Pires! Não pense na morte, senão morre mais cedo.»

 

Na presença do filho e da sobrinha, que vieram de França (esta tragédia que nos separa e não nos larga!), prestou-se com uma paciência inexplicável aos cuidados da Margarida e à fotografia. Uma fotografia dramática, que quase pede perdão a si mesma por ter sido possível e ter sido feita... Não tenho capacidade alguma para disfarçar a realidade!

 

 

[ Conceição ]

 

Foto: ANTERO DE ALDA Conceição Lourenço (89).

 

 

Entretanto, aproximou-se de nós outra mulher: Conceição (as mulheres, todas as mulheres, têm nomes tão bonitos!).

 

Conceição Lourenço, 89 anos, é de Pitões, essa maravilhosa Pitões de tantas das minhas viagens. Conhece a Maria Dias (ainda é viva) e a Maria Teresa (já morreu, eu já sabia), as irmãs Ana Bandarra e Lucinda Bandarra 'Piloto' (ainda são vivas!, só o homem da Lucinda, o António 'Piloto', já morreu, eu não sabia). Mostrei-lhe as fotos pelo telemóvel.

 

Pois, a Conceição Lourenço andava por ali com um papel na mão, e quando passou por nós pediu-me para eu ligar para um dos três ou quatro números que trazia naquele papel. Roubei-lhe o retrato à pressa, quando a Margarida lhe estava a passar o telemóvel para as mãos, e pouco depois ouvi-a a dar um verdadeiro sermão ao neto: «Então tu não vens cá ver-me, com a tua namorada?»

Disse-lhe para ficar à vontade e ela afastou-se. Falou durante garantidamente meia hora. Adoçou.

 

Agradeceu-me: «A senhora tem um homem tão bom!», disse para a minha mulher. E pediu-me (sussurrando ao ouvido, porque ali dentro não é permitido fazer pedidos destes) um lenço para levar à cabeça, que sentia frio, que o dela já estava velho, que não tinha dinheiro para comprar outro.

Ficou prometido para Janeiro, como ficou prometido que nesse meu regresso a Montalegre caminharemos juntos por aquela aldeia granítica que fica quase no infinito do mundo...

 

 

 

anterior  |  início  |  seguinte

 

 

A alma tem muitos inquilinos

que estão frequentemente em casa todos ao mesmo tempo.

GÖRAN PALM

 

webdesign antero de alda, desde 2007