contacto

poesia

fotografia

home

 

  Post 208 -  Dezembro de 2017  

 

foto: Carlos Vilela 2010

 

www.anterodealda.com

 

 

pesquisar neste blog

 

Recentes

 

três histórias de Natal

          [ 1. Maria Pires - regresso ]

29 de dezembro

três histórias de Natal

          [ 1. Maria Pires ]

mnemónicas

eucaliptais

Xutos... Zé Pedro

buracos negros e universos paralelos

   [ Escola Secundária de Amarante ]

três minutos...

          [ epifanias ]

são pássaros, José!

          [ Cataluña ]

diário íntimo XXXVI

os incuráveis

o editor pergunta-me...

          [ Retratos e transfigurações ]

mentirosos

enganados

o libertino

o editor pergunta-me...

          [ Mil vidas tem S. Gonçalo ]

 

 

Antigas

 

diário íntimo XXXV

o editor pergunta-me...

          [ Europa — fuck you! ]

diário íntimo XXXIV

diário íntimo XXXIII

diário íntimo XXXII

diário íntimo XXXI

diário íntimo XXX

diário íntimo XXIX

diário íntimo XXVIII

diário íntimo XXVII

diário íntimo XXVI

diário íntimo XXV

diário íntimo XXIV

diário íntimo XXIII

Europa, dá-me a minha estrela!

a Europa é um gulag!

os suicidas de Marpi Point

diário íntimo XXII

diário íntimo XXI

diário íntimo XX

diário íntimo XIX

diário íntimo XVIII

diário íntimo XVII

diário íntimo XVI

diário íntimo XV

diário íntimo XIV

diário íntimo XIII

diário íntimo XII

diário íntimo XI

diário íntimo X

diário íntimo IX

diário íntimo VIII

diário íntimo VII

diário íntimo VI

diário íntimo V

diário íntimo IV

diário íntimo III

diário íntimo II

diário íntimo I

já ninguém anda a pé [ IV ]

já ninguém anda a pé [ III ]

já ninguém anda a pé [ II ]

já ninguém anda a pé [ I ]

o trabalho não mata

o beijo do insecto

          [ Leopoldo María Panero ]

o estranho mundo de Edward Hopper

silêncio(s) sempre...

          [ António José Forte ]

silêncio(s) ainda... [ Sylvia Plath ]

silêncio(s)... [ José Agostinho Baptista ]

um estranho lugar de chuva

          [ homenagem a Pablo Neruda ]

não há só um Deus

o editor pergunta-me...

          [ a reserva de Mallarmé ]

o ministro foi às putas de pequim

manual de sobrevivência [ XXV ]

o comboio de... Cristina Peri Rossi

o tesoureiro de Leipzig

manual de sobrevivência [ XXIV ]

manual de sobrevivência [ XXIII ]

manual de sobrevivência [ XXII ]

e o lado oculto da Europa...

a Espanha oculta de...

          [ Cristina García Rodero ]

o cortejo dos amortalhados

EU — only for rich

a essência do Capitalismo

a essência de um Capitalista

os filhos do Diabo

manual de sobrevivência [ XXI ]

ódio à Democracia [ III ]

ódio à Democracia [ II ]

ódio à Democracia [ I ]

Warhol [ 85 anos ]

manual de sobrevivência [ XX ]

manual de sobrevivência [ XIX ]

manual de sobrevivência [ XVIII ]

taitianas de Gauguin

retratos de Van Gogh

nunca serei escravo de nenhum terror

as coisas [ Jorge Luis Borges ]

manual de sobrevivência [ XVII ]

manual de sobrevivência [ XVI ]

Portugal, noite e nevoeiro

o corno de Deus

manual de sobrevivência [ XV ]

manual de sobrevivência [ XIV ]

manual de sobrevivência [ XIII ]

a filha de Galileu

um museu para o Eduardo

manual de sobrevivência [ XII ]

manual de sobrevivência [ XI ]

Torricelli, Pascal, Hobbes, razão, utopia e claustrofobia

manual de sobrevivência [ X ]

manual de sobrevivência [ IX ]

os diabos no quintal

     [ histórias de homens divididos

       entre muitos mundos ]

o pobre capitalismo...

as Madalenas de Caravaggio

manual de sobrevivência [ VIII ]

o alegre desespero [ António Gedeão ]

manual de sobrevivência [ VII ]

manual de sobrevivência [ VI ]

manual de sobrevivência [ V ]

manual de sobrevivência [ IV ]

manual de sobrevivência [ III ]

sombras [ José Gomes Ferreira ]

Phoolan Devi [ a valquíria dos pobres ]

schadenfreude [ capitalismo e inveja ]

a vida não é para cobardes

europa

a III Grande Guerra

FUCK YOU!

EU — die 27 kühe [ as 27 vacas ]

europa tu és uma puta!

bastardos!

o daguerreótipo de Deus...

o honrado cigano Melquíades...

cem anos de solidão...

manual de sobrevivência [ II ]

o salvador da América [ Allen Ginsberg ]

o salvador da América [ Walt Whitman ]

[ revolução V ] as mães do Alcorão

[ revolução IV ] paraíso e brutalidade

[ revolução III ] andar para trás...

[ revolução II ] para onde nos levam...

[ revolução I ] aonde nos prendem...

o problema da habitação

cartas de amor

a herança de Ritsos

as piores mentiras

elegia anti-capitalista

da janela de Vermeer

manual de sobrevivência [ I ]

de novo o Blitz...

antes de morrer

as valquírias

forretas e usurários

           [ lições da tragédia grega ]

Balthus, o cavaleiro polaco

abençoados os que matam...

diário kafkiano

Bertrand Russell: amor e destroços

U.E. — game over

DSK: uma pila esganiçada

coração

kadafi

o tempo e a eternidade

Bucareste, 1989: um Natal comunista

mistério

o Homem, a alma, o corpo e o alimento

          [ 1. a crise da narrativa ]

          [ 2. uma moral pós-moderna? ]

          [ 3. a hipótese Estado ]

o universo (im)perfeito

mural pós-moderno

Lisboa — saudade e claustrofobia

          [ José Rodrigues Miguéis ]

um cancro na América

Marx, (...) capital, putas e contradições

ás de espadas

pedras assassinas

Portugal — luxúria e genética

rosas vermelhas

Mozart: a morte improvável

1945: garrafas

1945: cogumelos

bombas de açúcar

pão negro

Saramago: a morte conveniente

os monstros e os vícios

porcos e cinocéfalos

o artifício da usura

a reserva de Mallarmé

o labirinto

os filhos do 'superesperma'

a vida é uma dança...

a puta que os pariu a todos...

walk, walk, walk [Walter Astrada]

Barthes, fotografia e catástrofe

Lua cheia americana [Ami Vitale]

a pomba de Cedovim

o pobre Modigliani

o voo dos pimparos

o significante mata?

a Europa no divã

a filha de Freud

as cores do mal

as feridas de Frida

perigosa convivência

—querida Marina! («I'm just a patsy!»)

a grande viagem...

histoire d'une belle humanité

o coelhinho foragido

o sono dos homens...

«propriedade do governo»

os dois meninos de O'Donnell

o barco dos sonhos

farinha da Lua

o enigma de Deus

«nong qua... nong qua...»

«vinho de arroz...»

magnífica guerra!

a lei do Oeste...

Popper (1902-1994)

 

 

SnapShots

 

 

os dias todos iguais, esses assassinos...

 

buracos negros e

universos paralelos

[ Escola Secundária de Amarante ]

 

 

Há quase 36 anos (comecei a dar aulas aos 20) que ouço falar em novos paradigmas da Educação: praticamente, sempre que muda um governo muda o paradigma.

Ora, há mais de 20 anos que assisto a certos indivíduos (daqueles pilritos comuns que nidificam de vez em quando nos charcos do interior do país, com todo o respeito pelos verdadeiros pilritos-comuns do interior do país, dos grandes estuários do Tejo e do Sado, da Escandinávia, Islândia, Escócia...), mudando de galho consoante a direcção do vento, seguindo "habilmente" todos os paradigmas e todas as convicções venham eles e elas de onde vierem (da esquerda ou da direita, do centro, de cima ou de baixo ou até de algum Buraco Negro de Hawking), tomando os paradigmas e as convicções como se fossem dogmas, perseguindo paradigma atrás de paradigma e convicção atrás de convicção até à mais ignóbil contradição... Senhores: quem muda de paradigma como muda de camisa ou segue sempre cegamente as convicções dos outros sejam elas quais forem não respeita paradigma algum, não respeita a própria roupa que veste e não é dono de nenhuma convicção.

 

Vem isto a propósito do director da Escola Secundária de Amarante (ESA doravante), que durante tantos anos defendeu que os testes eram um instrumento fundamental de avaliação, que deveriam valer entre 60 e 80%, e que hoje, em nome do novo paradigma já não valem mais do que 35% entre todos os instrumentos de avaliação... Pois, os senhores professores que acham que o peso de 30% nos exames nacionais é tão pequeno que não vale a pena fazer exames nacionais, o que acharão agora, dos testes, que custam tanto do seu estudo (sim, os professores também estudam), do seu tempo, dos seus gastos em dinheiro, do seu esforço, do seu labor e da sua inteligência para os preparar, fazer e corrigir, se eles valem apenas 35%? E os alunos de mérito (alguns, mentes brilhantes), e os pais e encarregados de educação dos alunos de mérito não acharão agora que já não vale a pena ter mérito algum, estratégias de estudo, desperdício de tempo e gastos em dinheiro, porque o seu esforço, o seu labor e a sua inteligência estão a ser desbaratados?

 

Pois, senhor director Fernando Sampaio (professor? engenheiro?), se V/ Exa. dirige a ESA há mais de 20 anos, se criou um Departamento de Qualidade, se tem uma Missão, mesmo ignorando os Professores com novos paradigmas e convicções... porque não conseguiu levar a sua ESA para além do lugar 253 do ranking nacional de Escolas Secundárias, com um indicador negativo de sucesso?*

*Jornal Expresso, ranking 2016. Indicador de sucesso: Colégio São Gonçalo, 2,86%; Escola Secundária de Amarante, -1,62%; Externato de Vila Meã, 1,31%.

 

 

Foto: ANTERO DE ALDA SAMPAIO OUT Escola Secundária de Amarante, 7/12/2017.

 

 

Descanse, senhor director! Apesar das pixagens nas paredes da ESA que lhe pedem que saia, eu nunca faria uma coisa dessas. Muito pelo contrário, faço votos para que tenha muitos anos de vida, pelo menos os suficientes para poder mudar — o senhor director Fernando Sampaio e a sua digníssima esposa, senhora sub-directora — poderem mudar, então, alguma coisa sobre aquilo que pensam que é a vida. Porque a vida pode ser muito mais importante do que a fotografia de um fulano escarrapachada na primeira página de um jornal local de duvidosa reputação.

 

 

____

"Buraco Negro de Hawking..."

Segundo um curioso artigo publicado no início deste ano na revista GALILEU, Stephen Hawking, que sempre defendeu a existência de muitos buracos negros, acredita que através de «universos paralelos» e com alguma perspicácia é possível fugir deles. Tal e qual!

Ouçamos a GALILEU: «A crença comum diz que, caso alguém caia num buraco negro, pode desistir dos seus sonhos e preparar-se para a morte. Ninguém nunca mais irá ouvir falar dessa pessoa. Mas Stephen Hawking não segue a crença comum. “Se você cair num buraco negro, não desista. Existe uma forma de sair de lá!”, afirmou o físico numa conferência no Instituto Real de Tecnologia de Estocolmo.»

 

Este texto é um grito de revolta contra certa gente e seus acólitos. Pode servir de homenagem a todas as Professoras e a todos os Professores que conseguiram sair do buraco negro da ESA, seguindo «paraísos paralelos» como diz Hawking. Cá em casa, somos dois. Já sofremos muito no passado e infelizmente, às vezes, ainda hoje sofremos pelo facto de termos passado pela Escola Secundária de Amarante de Fernando Fernandes de Sampaio.

 

"se eles valem apenas 35%"

É assim que está previsto no layout do novo paradigma educativo da ESA e é assim que o permitem as convicções do Ministério da Educação, embora haja muita gente que, como quem empurra o lixo para debaixo do tapete, esteja já a empurrar com o saco de realeza da barriga o "mastodonte" para o próximo governo da República.

 

À atenção do ME: governantes que não se misturam com o povo nunca serão bons governantes; professores de Educação Especial que não sabem o que é o ensino regular nunca saberão ajudar os professores do ensino regular na interacção com alunos com multideficiência ou simples Necessidades Educativas Especiais; directores de escolas que não se apresentem nas salas de aula como simples professores jamais conseguirão ser bons directores.

 

"SAMPAIO OUT"

Não faço a mais pequena ideia de quem fez, e com que argumentos, a pixagem nas paredes da ESA, mas já lá está há demasiado tempo e até por uma questão de higiene pública alguém de direito já devia ter mandado removê-la.

 

"um jornal local de duvidosa reputação"

O novo edifício da Escola Secundária de Amarante, fruto dos desvarios da Parque Escolar e do fausto d'A Festa de Maria de Lurdes Rodrigues, foi pago por todos nós, e não pelo senhor diretor Fernando Sampaio como quase poderíamos presumir da entrevista que deu a um jornal local de duvidosa reputação.

Além disso, não é um edifício ecológico, sustentável e humanizado: nem uma simples mesa existe para que os professores possam alimentar-se condignamente no bar dos alunos... Também aqui subscrevo Jorge de Sena: «A gente neste mundo alimenta-se ou sobrevive dessas migalhas do banquete dos outros.»

 

"mastodonte"

É provável que até ao final da legislatura o mastodonte se transforme em mamute. Mas, atenção, um mastodonte é um mastodonte e um mamute é um mamute.

 

Relacionado [ manual de sobrevivência VI ]

 

 

anterior  |  início  |  seguinte

 

 

A alma tem muitos inquilinos

que estão frequentemente em casa todos ao mesmo tempo.

GÖRAN PALM

 

webdesign antero de alda, desde 2007